Trabalhe Conosco

Como Chegar

Dedetização: Dedetização de Cupins

Dedetização de cupins com segurança é com a Ibaraki dedetizadora de cupins uma empresa especializada em controle de cupins. Nosso departamento de controle de pragas urbanas realiza serviços de dedetização de cupins em São Paulo utilizando produtos de renomados laboratórios, equipamentos modernos e cumprindo rigorosamente as normas de segurança para esta atividade. Estamos preparados nos serviços de dedetização para por fim em cupins, baratas, ratos, mosquitos, formigas, pulgas, ETC.

Os cupins são insetos sociais que pertencem à Ordem Isoptera. “Iso” significa igual em latim e “ptera” se refere às asas. Ou seja, os cupins são animais que apresentam asas anteriores e posteriores iguais, quando estas estão presentes. Normalmente se associa a imagem dos cupins às madeiras estragadas e às crises nervosas das vovós que choram pela perda da tão (antiga) apreciada cadeira de balanços de madeira que foi da tataravó. De fato, os cupins são potenciais pragas urbanas e atacam veementemente as madeiras e objetos afins. Contudo, o que ninguém sabe é que os cupins são dotados de extrema complexidade biológica e têm uma função extremamente importante na manutenção dos ecossistemas da Terra. Diferentemente do que se pensa popularmente, estudar os cupins é de suma importância. Mas no que a vida desses pequenos insetos afeta nossas vidas? Por que os cupins gostam tanto de madeira? Leia o texto e entenda um pouco mais sobre a Termitologia, ciência que estuda os cupins e suas curiosidades.

Biologia dos cupins: Os cupins são mundialmente conhecidos como térmites, que em latim significa verme. O nome cupim tem origem Tupi e, portanto, é da nossa gente. Estes insetos também são conhecidos popularmente como aleluias, sararás e siriluia.

A ordem Isoptera é representada por sete famílias, mas só três delas têm representantes de cupins considerados pragas no Brasil: Kalotermitidae, Rhinotermitidae e Termitidae.

Considerando-se o mundo inteiro, existem 2750 espécies de cupins. Dessas, 300 foram descritas no Brasil e somente uma pequena parte, cerca de 30, são consideradas pragas urbanas. Tanto áreas tropicais como temperadas são palco para a diversidade dos cupins. A grande importância dos cupins nos ecossistemas é devido ao fato de os cupins serem animais extremamente abundantes que transformam minerais e componentes orgânicos, atuando na ciclagem de nutrientes e na estruturação dos solos. Para se ter uma idéia, a densidade de cupinzeiros pode atingir 1.000 cupinzeiros por hectares e 1.000-10.000 cupins por m2. Ou seja, têm muito cupim no mundo e essa enorme quantidade faz com que os cupins superem os valores obtidos por outros animais decompositores no solo. Por isso os cupins são tão importantes.

Os cupins são provavelmente os principais agentes que contribuem para a degradação da madeira. Eles são capazes de encurtar o tempo em que grandes e volumosos troncos de madeira seriam decompostos e incorporados na dinâmica, principalmente, do ciclo do carbono e outros nutrientes na natureza.

Mas como já destacado os cupins não são importantes somente tendo em vista a decomposição da madeira. São importantes para o solo, influenciando diretamente na sua fertilidade. Os cupins ao construírem seus ninhos no solo fazem vãos e canalículos, sendo mais eficientes que as minhocas nesta função. Este processo permite com que os solos sejam aerados e drenados. A movimentação dos cupins faz com que haja maior circulação de partículas nos horizontes do solo. Por conseqüência, outra função importante seria a de descompactação, bem como a manutenção da porosidade e distribuição de matéria orgânica. Ou seja, este grupo tem grande relevância tanto para a estruturação física quanto química do solo.

Tipos de Cupins: Anteriormente foi dito que existe uma enorme diversidade de cupins em todo mundo. Quer ocupando a zona rural, quer ocupando a zona urbana, os cupins são marcantes e importantes para o ambiente em que vivem. Muito embora a imagem que prevaleça é de que todos os cupins urbanos são deletérios às atividades humanas, isso não é sempre válido. Um exemplo acontece na cidade de São Paulo. Estudos detectaram a presença de 18 espécies de cupins. Destas 18 espécies, somente 2 eram consideradas pragas. Essas mesmas 2 não faziam parte da fauna local, mas foram introduzidas. E o restante? O restante habitava parques, praças e etc., compondo o equilíbrio e harmonia necessária para a natureza.

O grau de complexidade biológica dos cupins faz com que o estudo desses animais seja muito interessante. Contudo, no Brasil, faltam estudos sobre esta fauna, além de não haver também estudos que enfatizem a aplicabilidade da termitologia, sobretudo no que diz respeito à biologia das infestações urbanas. As espécies de cupins que são definidas como pragas urbanas podem ser classificadas em três tipos quanto ao hábito de nidificação: Cupins de madeira seca;
Cupins subterrâneos;
Cupins arborícolas. Essa classificação é muito útil no entendimento dos hábitos dos cupins, bem como no controle dos mesmos.

Métodos de Controle Descupinização: O leitor percebeu que, até agora, foram colocados os principais modos e formas de vida dos cupins. Como se alimentam e como habitam. Foram destacados também os pontos que afetam a vida humana, ou seja, como o cupim é como uma praga urbana. Mas como controlar as infestações indesejadas? Como conter o crescimento e eliminar a colônia dos cupins? Para tanto, quase sempre, existem dois métodos para se controlar: controle químico ou controle não químico.

Controle de cupins de madeira seca: Esses tipos de cupins ocorrem em peças isoladas. Tendo isso em mente, algumas medidas podem ser adotadas para previnir a infestação. Uma delas é evitar a entrada de indivíduos alados dentro de casa. Isso se faz com o uso de telas em janelas. Armadilhas também são bastante recomendadas. Vale ressaltar que o uso de madeiras com resistência natural a cupins (peroba, ipê, maçaranduba e aroeira) bem como uso de madeiras pré-tratadas com processos industriais evitam a infestação por cupins. E quando o material do leitor já esta infestado?

Uma saída para infestações moderadas é o uso de produtos químicos. A infestação moderada é caracterizada pela presença de perfurações circulares por toda extensão da peça. Através destas perfurações é eliminado um pó granuloso, que são as fezes dos cupins. Dois métodos químicos são bem eficientes: o expurgo e a impregnação.

O expurgo consiste na aplicação de gases tóxicos que adentram na peça. Estes gases são suficientes para matar os cupins e não deixam resíduos, ou seja, sua ação não é duradoura. Para tanto são construídas câmaras onde o gás é aplicado e a essas câmaras chamam-se câmaras de expurgo. O gás mais utilizado é o fosfeto de alumínio. Maior cuidado deve ser tomado com o fosfeto de alumínio, também chamado de fosfina, pois é explosivo. Vale dizer que no Brasil essa técnica não licenciada.

Outro método químico é a impregnação com produtos químicos sintéticos. Esta pode ser tanto de maneira superficial quanto por tratamento interno. O tratamento superficial também pode ser preventivo e é feito por meio de pulverização ou pincelamento de inseticida no material. A imersão também é uma medida eficiente, sendo três minutos de imersão suficientes para o tratamento devido. Já o tratamento interno é aquele no qual injeções periódicas de produtos químicos inseticidas são realizadas dentro do material. Primeiro devem-se fazer furos com brocas ou aproveitar os orifícios dos cupins. Após isso, o produto químico é injetado. Alternativamente ao uso de produtos químicos há tratamento térmico (elevação da temperatura a cerca de 66ºC, que mata os cupins) ou tratamento elétrico (descarga de choques elétricos na peça alvo).

Controle de cupins subterrâneos: O que fazer quando o ninho de cupins é subterrâneo e está dentro de casa? Calma, leitor. Não se desespere. Para tudo há saída. O grande destaque é para alguns métodos também são preventivos.

Grande parte desses métodos preventivos pode ser feito nos momentos antes da construção da residência. Desde remover todas as raízes e tocos de árvores, restos de madeira ou material celulósico até planejar a casa de modo a evitar pontos de umidade que favoreçam o aparecimento de cupins. Os métodos preventivos são mais baratos e menos danosos ao meio ambiente. O monitoramento da área em questão é muito importante e barreiras químicas podem ser feitas nas bases das estruturas como paredes e pilares. Assim, quando o cupim tentar subir, será barrado pelo inseticida e não nidificará.

E se já houver infestação? As medidas curativas entram em jogo. Uma delas é simples: remover o ninho sempre que for possível. As madeiras do local da infestação podem ser tratadas com produtos químicos. Outro tratamento muito utilizado é a barreira química curativa. Esse tratamento nada mais é do que a perfuração das paredes até atingir o solo e em seqüência fazer a aplicação de produtos químicos nestes furos. Com esse procedimento é realizada uma barreira química, contínua no solo, que deverá evitar o acesso dos cupins à edificação. A vantagem é que o tratamento é imediato e possui efeito residual. As desvantagens são que há o risco de contaminação ao meio ambiente, a barreira não previne contra infestações aéreas, a colônia nunca á totalmente eliminada e, ainda que com resíduos, o produto químico tem um tempo determinado para degradação.

O uso de iscas é outra medida curativa. Em geral, as iscas são componentes celulósicos com substância ativa com ação inseticida. A isca atrai os operários, que levam o produto a toda a colônia. Lembrando-se da trofolaxia. Assim, uma característica essencial para a substância da isca é que ela não se degrade até que toda a colônia tenha comido o veneno. Então, a vantagem é que toda colônia pode ser eliminada, além de não haver danos ao meio ambiente. As desvantagens são que as iscas não têm efeito imediato, mas demoram certo tempo, além de não possuírem nenhum efeito residual.

Quando há infestação por cupins em gramado, uma tática boa é a constante renovação do gramado. Caso o ninho esteja visível ou em montículos, destrua-o. Em não surtindo efeito, o controle químico também é eficiente. Aplicam-se inseticidas nos olheiros, que estão em contato direto com a colônia. Muitas vezes o acesso à colônia é difícil, pois é subterrâneo.

Controle de cupins arborícolas: O melhor a fazer se houver uma infestação por ninhos arborícolas é localizar e retirar mecanicamente o ninho. Alguns casos requerem aplicação de inseticida, provavelmente porque os cupins já se disseminaram para outras regiões. Os ninhos compostos e a presença de várias rainhas em uma mesma colônia dificultam bastante o controle, ainda que não o inviabilizem.

Dedetizadora com Segurança? Ibaraki Dedetização de Cupins!

Cupins Cupim Cupim de Madeira Seca Cupim de Solo
Cupim Subterrâneo Cupim|Cupins Cupins de Madeira Seca Cupins de Solo
Cupins Subterrâneos Cupins|Cupim Acabar com Cupim Acabar com Cupins
Biologia do Cupim Biologia dos Cupins Como Eliminar Cupim Como Eliminar Cupins
Controle de Cupim Controle de Cupins Dedetização de Cupim Dedetização de Cupins
Dedetizadora de Cupim Dedetizadora de Cupins Eliminar Cupim Eliminar Cupins
Tipos de Cupim Tipos de Cupins
 
 
Palavras Mais Buscadas: Ibaraki | Dedetização | Dedetizadora | Descupinização | Descupinizadora | Desratização | Desratizadora | Dedetizar?